Sistemática para conferência de amostras

O Laboratório Central recebe diversos tipos de amostras para que sejam realizadas análises de
controle de qualidade dos processos da Cooperativa. Essas amostras, ao serem recebidas,
passam por conferência, onde verifica-se se conferem com as cadastradas no sistema (ERP)
onde são solicitadas as análises, após, são direcionadas aos setores responsáveis por tais
análises, os quais realizam uma segunda conferência. Todo processo de conferência é realizado
manualmente, desde o processo inicial até a conferência final, sujeito a interferência e falhas
humanas.

Quarteador de amostras automatizado

Atualmente todo o processo de quarteamento (homogeneização) das amostras secas (farinha,
ração, milho…) no setor físico-químico do Laboratório Central, ocorre de forma manual, através
de um quarteador de 08 canais. O quarteamento é realizado até que haja a quantidade adequada
para sequência do preparo da amostra, ou então, para o processo analítico. Dependendo do
volume de amostra encaminhado pelo cliente o processo de quarteamento precisa ser repetido
várias vezes até que reste somente a porção adequada, o que traz lentidão ao processo e pode
gerar atraso de fluxo para as demais amostras.

Sistema de Identificação de Artes

A cooperativa possui aproximadamente 450 produtos, a sua maioria possui embalagens e rótulos
específicos. As mudanças nessas embalagens e rótulos são constantes (70 mensal), em todas
essas mudanças é necessário aprovar as mudanças com os fornecedores das embalagens. A
cooperativa desenvolve as artes das embalagens e encaminha para os fornecedores que
elaboram os mockups e enviam novamente para a aprovação. Essa aprovação envolve os dados
técnicos das embalagens (dimensões e texto) relacionados às legislações (MAPA E ANVISA). A
aprovação é realizada de forma manual por um operador que precisa abrir duas telas e comparar
as artes. Uma segunda avaliação destas embalagens no recebimento na indústria. Todos os lotes
são avaliados por um operador que compara a embalagem recebida com o arquivo utilizado para
aprovar a arte. Os dois processos são demorados e não eliminam significativamente os riscos de
erros nas embalagens. Em caso de erros nas embalagens as mesmas não podem ser utilizadas
na indústria.

Rastreabilidade do Processo de Qualidade da Semente

O mercado de sementes está cada vez mais competitivo e exigente em termos de tecnologia e qualidade.
Há uma demanda dos compradores (cooperados/clientes/revendas) relacionada à garantia da qualidade
(germinação, vigor, PMS, testes de semeadura em canteiro etc.).

Classificação de Grãos Automatizada

Atualmente a classificação de grãos (entrada e/ou saída) é feita manualmente pelo classificador na
balança, após a calagem do caminhão, o classificador quarteia a amostra até aproximadamente 350
gramas e após utiliza peneiras específicas para cada tipo de grãos (conforme POP), separa manualmente
as impurezas, faz os cálculos para chegar no percentual de impureza, após utiliza o aparelho de umidade
para gerar o percentual e na sequencia as informações são anotadas em um controle físico e
posteriormente transferida a informação para o sistema, gerando a partir daí as informações dos descontos
com impureza, umidade e outras dependendo do tipo de grãos (soja, milho, trigo, feijão ou sementes)

Análise NPK Fertilizante

A Indústria de Fertilizantes da cooperativa realiza o controle de qualidade das matérias primas recebidas
(nacionais e importadas), bem como dos produtos acabados, que são as formulações produzidas e
comercializadas aos clientes. A validação dos produtos é realizada através das análises laboratoriais dos
lotes produzidos para garantir a qualidade das formulações dos fertilizantes.
A composição dos teores dos macronutrientes nitrogênio (símbolo N), Fósforo (P), Potássio (K), Cálcio
(Ca), Enxofre (S), e dos micronutrientes Boro (B), Cobre (Cu), Manganês (Mn) e Zinco (Zn), entre outros
elementos, é essencial para a nutrição das plantas visando altas produtividades de grãos.
Na agricultura, o fornecimento dos nutrientes para as plantas é realizado através da utilização de
fertilizantes formulados com base nos nutrientes acima. A garantia da composição e qualidade dos
fertilizantes, é a base para uma produção eficiente, tanto para o produtor rural como para as indústrias que
processam e agregam valor aos grãos.
O desafio é desenvolver um processo ou tecnologia que mensure o nível de nutrientes nos fertilizantes
sólidos produzidos de forma instantânea, ou seja, ter uma solução que entrega de forma rápida
(instantânea, minutos ou horas) a composição das formulações. Isso poderá validar com mais agilidade e
efetividade, a garantia das composições e aumentar a produtividade na indústria.